Autor: Sílvio Bernardes

Aquelas histórias de guerra

Houve um tempo em que a gente ouvia muitas histórias de guerra. Tinha até uma expressão muito usada pela mãe quando algum dos seus rebentos atacava com uma fome canina alguma merenda ou mesmo o prato de almoço ou da...

Laços de família

“Das muitas coisas Do meu tempo de criança Guardo vivo na lembrança O aconchego de meu lar No fim da tarde Quando tudo se aquietava A família se ajeitava Lá no alpendre a conversar (…)” (PADRE ZEZINHO – “Utopia”) As...

Piso de “vermeião”

De primeiro, como diz o outro, o piso das casas era de chão batido ou de taco ou, ainda, de um cimento liso e colorido que muitos chamavam de “vermelhão” (ou “vermeião”). O tal piso era vendido em uma caixinha...

Biblioteca do Mobral

por Sílvio Bernardes Era uma biblioteca municipal, mas muita gente, por ignorância atávica ou maldade, a conhecia como Biblioteca do Mobral. A denominação popular era uma referência ao (malfadado) Movimento Brasileiro de Alfabetização – Mobral, do governo militar. Havia, é...

Mexendo com política

O povo de antigamente mexia com política com uma fúria apaixonada. Aliás, a política era, para muitos, uma constante demonstração de euforia. Havia cabos eleitorais com importância de general – talvez não tanto pela prepotência, mas pelo envolvimento com a...

Tem, mas acabou!

por Sílvio Bernardes O velho Jota Bernardo se abaixa ao chão e rabisca a terra com um pedaço de pau, enquanto conversa com o neto. Vez por outra seus olhos se perdem num horizonte longe, onde as lembranças passeiam alegres...

Trem doido, sô!

Pode não ser normal, mas é perfeitamente natural encontrar pessoas que conversam sozinhas e que até gesticulam num diálogo animado consigo mesmas. Agora, conheço um sujeito que além de falar sozinho, se interage com a televisão, com o rádio, com...